terça-feira, 23 de agosto de 2016

Especialistas esclarecem 12 dúvidas sobre a vitamina D

Substância é associada ao risco de câncer, obesidade e pode ser tratamento para uma série de doenças

A vitamina D é um hormônio esteroide lipossolúvel que pode ser obtido após exposição solar ou por meio da alimentação. A substância é essencial para o corpo humano e sua ausência pode proporcionar uma série de complicações.


"É só pensar no que representa para o organismo a falta desta vitamina que controla 270 genes, inclusive células do sistema cardiovascular", diz o neurologista Cícero Galli Coimbra, professor associado e pesquisador da Universidade Federal de São Paulo.

A vitamina D é necessária para a manutenção do tecido ósseo. Ela também influencia consideravelmente no sistema imunológico, sendo interessante para o tratamento de doenças autoimunes e no processo de diferenciação celular. A falta do nutriente favorece 17 tipos de câncer. "Esta substância ainda age na secreção hormonal e em diversas doenças crônicas não transmissíveis, entre elas a Síndrome Metabólica, que tem como um dos componentes o diabetes tipo 2", diz a nutricionista Natielen Jacques Schuch, professora do Centro Universitário Franciscano UNIFRA.

O consumo da vitamina D é essencial para as gestantes, sendo que a falta dela pode levar a abortos no primeiro trimestre. Já no final da gravidez, a carência do nutriente pode levar a pré-eclâmpsia e aumentar as chances da criança ser autista.

Existem ainda outros benefícios que a vitamina D proporciona para o organismo. "Infelizmente, cerca de 80% das pessoas que vivem no ambiente urbano estão deficientes nesta substância", constata Coimbra.

Na hora de garantir as quantidades corretas do nutriente surge uma série de dúvidas. O protetor solar atrapalha na absorção de vitamina D? Quais os alimentos ricos em vitamina D? A absorção de vitamina D pelos alimentos é tão eficaz quanto pelo sol?

Por isso, conversamos com especialistas neste nutriente e esclarecemos doze dúvidas frequentes sobre a vitamina D. Confira:





Só é possível conseguir vitamina D tomando sol?

Não, é possível obter a vitamina D por meio da alimentação e suplementação com orientação médica. Para evitar a carência do nutriente é interessante incluir na dieta alimentos ricos nesta substância e também tomar entre 15 e 20 minutos de sol sem proteção solar e com braços e pernas expostos todos os dias. "Apesar de alimentação e exposição solar serem complementares, este último garante entre 80 e 90% da síntese de vitamina D", afirma a nutricionista Natielen Jacques Schuch, professora do Centro Universitário Franciscano (UNIFRA).

Rosemberg participa de Audiência dos Planos de Saneamento do Sul da Bahia





O presidente da Amurc e do Consórcio de Desenvolvimento Sustentável – Litoral Sul, Lenildo Santana participou esta semana de uma audiência com o secretário de Infraestrutura e Recursos Hídricos da Bahia, Cássio Peixoto, em Salvador. O objetivo da reunião foi apresentar uma proposta de parceria para financiamento na elaboração dos planos de Saneamento Básico dos municípios que compõe o Território Litoral Sul.

Durante o encontro, que contou com as presenças do deputado estadual, Rosemberg Pinto e do presidente do Comitê de Bacias do Leste e coordenador do Consórcio, Luciano Veiga, o secretário Cássio fortaleceu o apoio do Estado com o projeto apresentado pelo Consórcio, e se colocou a disposição para conseguir os recursos necessários para elaborar os Planos de Saneamento.

O Consórcio já vem desenvolvendo as atividades para elaboração dos planos nos municípios consociados, tendo em vista a situação financeira que os municípios vêm passando. “A necessidade dos municípios terem seus planos concluídos é vital para que os mesmos possam pleitear recursos, tanto para resolver os problemas da área de resíduos sólidos quanto de saneamento”, declarou Luciano Veiga.

O presidente da Amurc e do CDS-LS considerou o encontro positivo, e destacou que “essa oportunidade permitirá ao Consórcio ser um instrumento de execução no atendimento das demandas apresentadas pelos municípios. Atende também, a uma exigência legal da Lei nº 11.445/2007, que orienta a construção dos planos”.

A efetivação dos Planos contribuirá para a proteção e melhoria da qualidade dos recursos naturais da região, que compõe a Bacia Hidrográfica do Leste. Nesse contexto, as ações em parceria com o CDS-LS, a Amurc e o Governo do Estado fortalecerão as atividades que visam investimento em obras de abastecimento de água potável, coleta e tratamento de esgoto, limpeza urbana, manejo de resíduos sólidos e drenagem.

quinta-feira, 18 de agosto de 2016

Até quando conviveremos com esta forma injusta de distribuição de terras!


Fomos acostumados a ouvir por meio dos professores e imposto pelo sistema que o Brasil foi descoberto, quando na verdade foi invadido. 
As terras brasileiras e o seu sistema de distribuição sempre foi desigual. A sociedade não foi convidada para opinar sobre a ocupação dos espaços.
Após o fim das capitanias e a independência do Brasil, as terras que antes pertenciam à coroa, passaram a ser devolutas e administradas pelo estado. As regras de ocupação sempre privilegiaram aos “burgos”, classes dominantes. Essas eram distribuídas e documentadas aos “amigos”.
Chamam os sem terras de invasores, mas esquecem de que tudo que hoje possuem foi por meio da invasão.
Nos espaços urbanos não ocorreu de forma diferente, às áreas privilegiadas foram ocupadas pelos oligarcas. Com o passar dos tempos e com a movimentação migratória, qualquer espaço vazio estava sujeito à ocupação. Ocupam desde áreas desvalorizadas, inexploradas e despovoadas. Ocupam encostas, margens de rios, brejos, mangues e margem de rodovias, pois foi só o que sobrou. 

Na verdade estes excluídos são na verdade, os desbravadores dos espaços urbanos.  O retrato da exclusão no país são as ilhas onde as elites e as classes médias são cercadas pela pobreza. Áreas classificadas de extrema miséria em função das condições sócias ambientais e a falta de assistência pelo poder público que acabam favorecendo aos grupos dominantes.

Até quando?

  

terça-feira, 16 de agosto de 2016

“ Nossa maior obra é cuidar bem das pessoas”.Geraldo Simões


Foto Montagem: Ed Ferreira
Nos dois mandatos de Geraldo Simões, a marca de suas administrações foram “ nossa maior obra é cuidar bem das pessoas”. Ainda não houve um administrador que tivesse tamanha preocupação com o bem estar das pessoas como Gerado Simões em seus dois mandatos à frente do município de Itabuna. Priorizou os investimentos em áreas como saúde, educação, saneamento e Habitação.

quinta-feira, 11 de agosto de 2016

Quem é Suzana Vieira para falar dos nordestinos?, questiona o líder do PT na Alba

Deputado Rosemberg Pinto

“Essa Sônia Maria precisa respeitar mais o Norte e o Nordeste! Mas, o que esperar de uma pessoa que não se reconhece como Maria, por ser um nome vinculado as camadas mais pobres, assim como o nome Sônia, para dar lugar ao Suzana Vieira?” O questionamento é do líder do Partido dos Trabalhadores na Assembleia Legislativa da Bahia, Deputado Estadual Rosemberg Pinto, após fala da atriz da Globo durante encontro com outros artistas em apoio ao juiz federal Sérgio Moro. A atriz declarou que pessoas do Norte e Nordeste não têm conhecimento do que está sendo feito em Curitiba.

“Quem é ela para falar dos nordestinos? Não é a primeira vez que essa senhora trata o Nordeste de forma preconceituosa. Em Pernambuco, durante a encenação da peça Paixão de Cristo, a mesma afirmou que estava em uma selva e precisaria de fumaça e tambores para se comunicar com a civilização. Diferentemente do que ela pensa, os nordestinos sabem muito bem o que está acontecendo não apenas em Curitiba, mas em todo o Brasil. Sabem inclusive do desprezo dela por nós, do preconceito contra as Marias e as Sônias, a sua deselegância com os colegas de emissora como a repórter Geovanna Tominaga e sabemos até que ela é muito pequena. Ela deveria sair dos sets de gravação da Rede Globo e conhecer de verdade o País onde vive”, declarou o líder.

sexta-feira, 5 de agosto de 2016

Luciano Veiga do Consórcio Litoral Sul presidirá o Comitê de Bacias do Leste


Com o objetivo de ampliar o diálogo com a sociedade, o secretário executivo do Consórcio de Desenvolvimento Sustentável - Litoral Sul, Luciano Veiga assumiu a presidência do Comitê de Bacias Hidrográficas do Leste nesta quinta-feira, 4, durante a renovação dos membros. A solenidade foi realizada no Auditório Zélia Lessa, em Itabuna e contou com a presença dos representantes das instituições parceiras, e do Secretário Estadual do Meio Ambiente, Eugênio Spengler.

A renovação dos membros do Comitê é um momento estratégico para a gestão participativa das águas na Bahia, pois garante assento dos representantes da Sociedade Civil, Usuários e Poder Público. Juntamente com Luciano, foram eleitos o vice-presidente, Anderson Alves Santos e, como secretário, o empresário Daniel Albuquerque, representando a sociedade civil.

Dentre as atribuições, o órgão é responsável por acompanhar o processo de implementação, elaboração e aprovação do Plano de Bacia Hidrográfica; sugerir providências necessárias ao cumprimento de metas; arbitrar, em primeira instância administrativa, conflitos relacionados com o uso da água e propor ações ao Conselho Estadual de Recursos Hídricos – CONERH.

Estas ações são encaminhadas ao Governo do Estado, responsável por planejar e direcionar a política pública de recursos hídricos. Nesse contexto, o secretário de Meio Ambiente destacou a importância “de consolidação dos Planos de Bacia para realizar uma efetiva gestão dos recursos hídricos”. Ainda segundo Splenger, o Estado estará oferecendo cursos de formação para membros do comitê, com o objetivo de aumentar o conhecimento para a tomada de decisões.

Durante a sua fala, o presidente eleito revelou que estará acompanhando os projetos e propostas do Estado inerentes a Bacia Hidrográfica do Leste, para que sejam apresentadas as políticas públicas à sociedade. Luciano disse ainda que estará realizando reuniões itinerantes com a sociedade para captar as demandas das micro-bacias e elaborar um Plano de Trabalho. “Acreditamos na vontade das pessoas e na competência das instituições que compõem o comitê para desenvolver as melhorias no setor”, declarou Luciano.

A partir da mobilização da sociedade civil organizada, o presidente da Amurc, Lenildo Santana acredita que é possível avançar no convencimento dos membros da sociedade sobre a importância do meio ambiente, assim como outras áreas da sociedade. “Se unirmos forças aos desprendimentos das pessoas e a força do Estado, acredito que possamos mudar esse quadro de crise hídrica”, revelou Lenildo.


domingo, 24 de julho de 2016

La Niña chega em outubro com seca no Sul e chuvas no Norte e Nordeste



O fenômeno climático La Niña já começa a se configurar no Pacífico, e a partir do início da próxima primavera deve ser tão prejudicial para a agricultura quanto seu predecessor, El Niño (2015/16). É o que dizem os meteorologistas da Climatempo, apontando que haverá secas no Sul e aumento das chuvas no Norte e Nordeste, por conta de mudanças significativas nos padrões de precipitação e temperatura ao redor da Terra.

“La Niña é a fase fria de um fenômeno atmosférico-oceânico. Ela é caracterizada pelo esfriamento anormal das águas superficiais do Oceano Pacífico Tropical”, explica a meteorologista Bianca Lobo. Segundo ela, este fenômeno altera toda circulação de umidade e calor ao redor do globo, alterando ou potencializando características normais das estações do ano.

A alternativa para os produtores rurais é planejar melhor seus períodos de plantio: “As regiões Sul, Sudeste e Centro-Oeste devem ter temperaturas de normal a ligeiramente acima da média, ou seja, bem mais ameno do que nos últimos dois anos. Já o Norte e Nordeste devem estar mais quentes, mas em relação ao ano anterior será mais ameno também”, pontua o meteorologista da Climatempo, Alexandre Nascimento.

O especialista projeta que La Niña já esteja presente no Brasil a partir do próximo mês de outubro, permanecendo ao longo de 2017. “Pode haver seca no Sul, mas só no período de inverno/primavera”, destaca Nascimento. Com isso, a região pode sofrer grandes prejuízos no trigo, soja e arroz – suas culturas exponenciais.

Já nas regiões Norte e Nordeste as chuvas acima da normalidade devem prejudicar a cana-de-açúcar, principal produto da região, além da soja, algodão, caju, uvas finas, manga, melão e acerola, mandioca, milho e arroz.

sexta-feira, 22 de julho de 2016

Governador lança em Ilhéus edital de licitação para duplicação da BR-415




Quatro pontes sobre o Rio Cachoeira integram o projeto de duplicação da BR-415, no trecho que liga as cidades de Ilhéus e Itabuna, as principais do Sul do Estado. O edital de licitação para a obra foi lançado hoje, dia 22, pelo governador da Bahia, Rui Costa, também assinado pelo secretário de Infraestrutura do Estado, Marcus Cavalcanti.  O ato aconteceu no Centro de Convenções de Ilhéus, durante o VIII Festival Internacional do Chocolate e Cacau da Bahia, com a participação do prefeito de Ilhéus em exercício, Carlos Machado (Cacá).

O prefeito acompanhou o governador, pela manhã, na visita às obras de construção do Hospital Costa do Cacau, e à tarde, comemorou a assinatura da licitação, “que vai transformar esse pedaço da estrada em uma grande avenida a serviço do desenvolvimento regional”, disse. Ao todo, de acordo com secretário Cavalcanti, “serão duplicados 18 quilômetros da estrada, no trecho a partir da saída, no contorno norte de Itabuna, até o bairro Banco da Vitória”.

O governador Rui Costa lamentou a demora em tocar a obra. “O Governo do Estado havia lançado licitação, há dois anos, mas foi deserta. As empresas apresentaram um custo superior ao estimado. Passamos dois anos rediscutindo o projeto e encontramos o modelo que consideramos viável e logo poderemos dar a ordem de serviço para ver mais esse compromisso sendo cumprido com a região sul da Bahia”.

A obra de duplicação contará com recursos do Governo Federal, por meio do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), e tem prazo inicial de dois anos para ser concluída. Assim como a construção das pontes e das pistas do outro lado do Rio Cachoeira, a obra prevê a recuperação completa das vias já existentes, em parceria com o Departamento Nacional de Infraestrutura de Tráfego (Dnit).

Ponte – Durante o ato de abertura da licitação, o governador Rui Costa afirmou ao prefeito em exercício, Cacá, que, em até 60 dias, retorna a Ilhéus para visitar as obras da nova ponte que vai ligar o centro à zona sul do município. A ordem de serviço já foi assinada, de acordo com o chefe do Executivo Estadual.

Com um total de 533 metros, além do acesso ao sistema viário de 2,74 quilômetros, a ponte que liga o centro de Ilhéus à zona sul da cidade recebe investimentos de R$ 99,6 milhões. O equipamento deve ficar pronto em dois anos e vai receber tráfego diário de 8,5 mil veículos. O prefeito Cacá destacou que, juntas, as obras da ponte e da duplicação beneficiam uma população superior a 500 mil habitantes, através da exportação e do turismo regional.

Presenças – Acompanharam a visita ao Festival do Chocolate, os secretários de Estado de Agricultura, Vitor Bomfim, de Desenvolvimento Rural, Jerônimo Rodrigues, os deputados Eduardo Salles, Roberto Brito, os secretários municipais de Meio Ambiente e Urbanismo, Antônio Vieira, de Saúde, Antonio Ocké, de Turismo e Esporte, Josenaldo Cerqueira, de Educação, Paulo Moreira, de Agricultura e Pesca, Sebastião Vivas, de Relações Institucionais, Fred Vésper, de Indústria e Comércio, Roberto Garcia, de Desenvolvimento Social, Kácio Brandão, vereadores e imprensa.